Botecos cariocas: espaços gastrossociais de hospitalidade, afirmação de identidades e tradições em desvanecimento

Autores

  • Myriam Melchior Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Yan Procedômio Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Boteco, Hospitalidade, Identidades, Memória social, Cidade

Resumo

Locais tradicionalmente vinculados à comensalidade carioca popular, os botecos, que em outras cidades podem ser chamados de botequins e variadas designações, são espaços que congregam histórias e memórias de luta e afirmação de identidades étnicas, de classe, dentre outras. Embora a sociabilidade dos botecos já tenha sido estudada nos campos da Sociologia e Ciências Humanas, só mais recentemente esse espaço e suas ofertas de alimentos e bebidas passaram a ser investigados no campo da Gastronomia. O objetivo deste artigo é demonstrar o papel social e histórico do boteco no acolhimento e na mediação da integração de pessoas. A pesquisa pode ser dividida em dois momentos. Inicialmente, foi desenvolvida uma pesquisa por meio de análises em fontes secundárias para apresentar conceitos sobre botecos e hospitalidade. Posteriormente, foi desenvolvida uma pesquisa em fontes primárias por meio de estudos em campo nos bares Bar da Regina, localizado na Cidade Universitária, e Chanchada Bar, situado no bairro de Botafogo, ambos no Rio de Janeiro. As pesquisas em campo tiveram um cunho etnográfico, pois buscaram estudar e interpretar culturas, comunidades e grupos sociais a fim de compreender o papel social dos botecos no campo da hospitalidade a partir dos conceitos de acessibilidade, legibilidade e identidade. Esses conceitos trazem à luz os botecos como espaços que promoveram integração, acolhimento e cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Myriam Melchior, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora do departamento de Gastronomia do Instituto de Nutrição Josué de Castro, na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Especialista em Hospitalidade, Memória Social, Sociologia e Cultura da Alimentação. Concentra-se em investigações acerca de manifestações e modos de transmissão de culturas alimentares brasileiras, considerando os impactos gerados nas tradições pela assimilação de modelos hegemônicos. É tecnóloga em Hotelaria e Turismo pela École Les Roches, na Suíça, Psicóloga, Mestre em Comunicação Social e Cultura e Doutora em Memória Social, com período de doutoramento sanduíche no King's College London, Grã-Bretanha.

Yan Procedômio, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduando em Gastronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Extensionista do Projeto Gastronomia, Cultura e Memória do Departamento de Gastronomia do Instituto de Nutrição Jusué de Castro, UFRJ.

Referências

AMARAL, Claudia Francia do. O design vernacular contemporâneo: o caso dos botequins no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2013. 74 p. Dissertação de Mestrado (Departamento de Artes e Design) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. O cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

ECKERT, Cornélia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. Etnografia: Saberes e Práticas. Revista Iluminaturas, v. 9, n. 21, 2008.

GOTMAN, Anne. Uma estação sagrada da vida social. In: MONTANDON, Alain. O livro da Hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo: Senac, 2011. p. 73-81.

GRINOVER, Lucio. A hospitalidade, a cidade e o turismo. São Paulo: Aleph, 2007.

LASHLEY, Conrad. Para um entendimento teórico da hospitalidade. In: LASHLEY, Conrad; MORRISON, Alison (org.). Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Barueri: Manole, 2004, p. 1-24.

MELCHIOR, Myriam; SOARES, Cláudia; DINIZ, Denise. O Quilo e o prato único: maneiras de comer e servir na identidade e culturas brasileiras. In: MELCHIOR, Myriam. Gastronomia, cultura e memória: cerâmicas, potes e vasilhames. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2018. p. 156-186.

MONTANDON, Alain. O livro da hospitalidade: acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo: Senac, 2011.

PEREIRA, Néli. Da botica ao boteco: plantas, garrafadas e a coquetelaria brasileira. São Paulo: Companhia da Mesa, 2022.

ROCHA, Keli de Araújo. A evolução do curso de gastronomia no Brasil. In: Contextos da Alimentação: Comportamento, Cultura e Sociedade: Centro Universitário Senac, São Paulo, v. 4. n. 2, 2016.

SANTOS FILHO, Lycurgo de Castro. História geral da medicina brasileira. São Paulo: Hucitec, 1977.

SELWIN, Tom. Uma antropologia da Hospitalidade. In: LASHLEY, Conrad; MORRISON, Alison (org.). Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Barueri: Manole, 2004, p. 24-41

TELFER, Elizabeth. A filosofia da hospitalidade. In: LASHLEY, Conrad; MORRISON, Alison (org.). Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Barueri: Manole, 2004, p. 53-77.

WILLIAMS, Raymond. Keywords: a vocabular of culture and society. London: Fontana Press, 1976. p 87-93.

Downloads

Publicado

2024-02-09

Como Citar

Melchior, M., & Procedômio da Silva, Y. R. (2024). Botecos cariocas: espaços gastrossociais de hospitalidade, afirmação de identidades e tradições em desvanecimento. Revista Hospitalidade, 21, 26–47. Recuperado de https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/1112

Edição

Seção

Artigos