Uma análise da aplicabilidade da proteção legal do patrimônio gastronômico para um turismo cultural fortalecedor de identidade

Autores

  • Karina Maia Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Ricardo Lanzarini Universidade Federal do Rio Grande do Norte -UFRN
  • Josenildo Campos Brussio Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Palavras-chave:

gastronomia, turismo , socioterritorialidade, instrumentos protetivos

Resumo

A pesquisa vem com aporte teórico contemplativo da produção cultural alimentar dos lugares, com fundamentação a partir de um enfoque relacional destes produtos e a necessidade de sua proteção legal como promotora da preservação das propriedades intelectuais e das culturas identitárias, que são amálgama entre o povo e as suas regiões de origem. Deste modo, o objetivo central foi: analisar instrumentos de proteção da comida de terroir, prováveis ferramentas de propulsão de destinos turísticos. Nesta pretensão, apresenta: revisão bibliográfica e bibliométrica, sendo recuperados 243 artigos em revistas nacionais do turismo e afins, envolvendo a gastronomia sob o viés da atividade turística. Foram utilizados os termos de busca: “gastronomia”, “gastronomia e identidade cultural”, “Indicação Geográfica”, “Indicação de Procedência” e “Denominação de Origem”. Da amostragem geral, foram analisados 38 artigos, por abordarem especificamente sobre instrumentos legais protetivos da gastronomia, como o são: a Indicação Geográfica (IG), a Indicação de Procedência (IP) e a Denominação de Origem (DO) com o filtro de temporalidade “qualquer tempo”. Sendo constatado que existem muito mais êxitos na aplicação dos instrumentos em apreço do que falhas. Por outro lado, no intento de se alertar para a necessidade de alterações em sua legislação, foram pontualmente indicados obstáculos, que podem vir a prejudicar esse desenvolvimento de localidades tão ansiado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Maia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Ricardo Lanzarini, Universidade Federal do Rio Grande do Norte -UFRN

Doutor em Ciências Humanas com Pós-Doutorado em Lazer e Turismo. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Turismo (PPGTUR) e do Departamento de Turismo (DETUR) da UFRN.

Josenildo Campos Brussio, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Professor colaborador no Mestrado e Doutorado do PPGTUR

Referências

ANSARAH, M. G. R. (org.). Turismo: como aprender, como ensinar. 3 ed. São Paulo: Senac, 2004.

BAHL, M.; GIMENEZ, M. H. S. G.; BARTOZECK, N. L. Territorialidade gastronômica: as cozinhas regionais como forma de mediação do homem com o meio e como atrativo turístico. Revista Geográfica de América Central, número especial EGAL, Costa Rica II semestre, 2011.

BARROCO, C.; AUGUSTO, L. Turismo Gastronômico em Portugal: formas de comunicar os produtos endógenos da região Dão Lafões e Alto-Paiva. Anais Brasileiros de Estudos Turísticos, v. 6, n. 2, p. 23–39, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/abet/article/view/3121. Acesso em: 05 maio 2022.

BOFF, L. Virtudes para um outro mundo possível - Hospitalidade: direito e deveres de todos. Petrópolis: Vozes, 2005.

BONNY, S. A padronização tecnológica na agricultura: formas, origem e perspectivas a partir do caso francês. Cadernos de ciência e tecnologia, v. 10, n. 3, p. 9-34, 1993.

BORBA, B. M. A. Saberes e fazeres do povo: resgate da cultura popular na Paraíba. João Pessoa. UFPB, 2006.

BORBA, M. F. S. Denominações de origem e o desenvolvimento regional: o exemplo do Pampa. Bagé: Embrapa Pecuária Sul. 2007. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/219065. Acesso em: 05 maio 2022.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 14 ed. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Centro Gráfico do senado Federal, 1988.

CALDAS, A. S.; CERQUEIRA, P. S.; PERIN, T. F. Mais além dos arranjos produtivos locais: as indicações geográficas protegidas como unidades de desenvolvimento local. RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, n. 11, p. 05-15, 2005.

CAMARGO, L. O. L. Hospitalidade, turismo e lazer. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 13, n. 3, 2019, p. 1–15. Disponível em: https://doi.org/10.7784/rbtur.v13i3.1749. Acesso em: 05 maio 2022.

CERDAN, C. Valorização dos produtos de origem e do patrimônio dos territórios rurais no sul do Brasil: contribuição para o desenvolvimento territorial sustentável. Revista Política e Sociedade, v. 14, p. 277-299, 2009.

COSTA, A. C. Rumo à economia criativa: artesanato e turismo em Itabuna. Anais do IV Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul, Caxias do Sul. 2006. Disponível em: http://www.ucs.br/ucs/tplSemMenus/eventos/seminarios_semintur/semin_tur_4/gt07. Acesso em: 05 maio 2022.

COSTA, E. R. C. As Indicações Geográficas (IGs) como elementos fortalecedores para a atividade turística. Turismo: Estudos & Práticas (RTEP/UERN), Mossoró/RN, v. 3, n. 1, jan./jun. 2014. Disponível em: http://periodicos.uern.br/index.php/turismo. Acesso em: 05 maio 2022.

HERNANDEZ, J. C.; ARNAIZ, M. G. Alimentação e cultura; perspectivas antropológicas. Ariel: Barcelona, 2005.

GIEHL, Z. V. D, B. A produção artesanal de comida tradicional como patrimônio imaterial: perspectivas e possibilidades. Revista liboamericana de viticultura, Agroindustria y ruralidade, v. 4, n. 11, p. 92-115, 2017.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Pedidos de indicação geográfica concedidos e em andamento. 2012. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menuservicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geografica-no-brasil. Acesso em: 29 ago. 2023.

JENOVEVA-NETO, R.; FREIRE, P. S.; VIEIRA, A. C. P. (2012) Análise do processo de institucionalização da indicação geográfica para o desenvolvimento socioeconômico: o caso dos “Vales da Uva Goethe”. Disponível em: https://ibpieuropa.org/?media_dl=67. Acesso em: 05 maio 2022.

LIMA, C.; MOREIRA S.; CABRAL A.; SILVA, C.; MESQUITA M. L. Ginga com tapioca: gastronomia do mercado da Redinha como atrativo turístico. Revista Turismo Contemporâneo, v. 4, n. 1, p. 45-66, 2016.

LOHMANN, G.; PANOSSO NETTO, A. Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph, 2008.

MENDES, B. C.; QUINZANI, S. S. P.; MARQUES, A. Processo de regionalização gastronômica: vantagem ou desvantagem? Revista Hospitalidade, v. 11, n. 1, p. 90-106, 2014.

PAULA, J. Territórios, redes e desenvolvimento. In: LAGES, V.; BRAGA, C.; MORELLI, G. (org.). Territórios em movimento: cultura e identidade como estratégia de inserção competitiva. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Brasília, DF: SEBRAE, 2004. p. 73-84.

SATO, G. S.; ÂNGELO, J. A. Exportações de vinhos e derivados e o processo de internacionalização das vinícolas brasileiras. Informações econômicas, v. 37, n. 11, 2007.

VALENTE, M. E. R.; PEREZ, R.; MOTA, A. R.; PAES, J. B. P. Indicação Geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, v. 42, n. 3, p. 551-558, 2012a.

VALENTE, M. E. R.; PEREZ, R.; RAMOS, A. M.; CHAVES, J. B. P. Indicação geográfica de alimentos e bebidas no Brasil e na União Europeia. Ciência Rural, v. 42, n. 3, mar., 2012b. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cr/a/G4h5QWDs78hSpTqvmqFCcNQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 05 maio 2022.

VELLOSO, C. Q. Indicação geográfica e desenvolvimento territorial sustentável: a atuação dos atores sociais nas dinâmicas de desenvolvimento territorial a partir da ligação do produto ao território (um estudo de caso em Urussanga, SC). 2008. 166f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, SC. 2008.

VIEIRA, A. C. P.; PELLIN, V. As Indicações Geográficas como estratégia para fortalecer o território – O caso da Indicação de Procedência dos Vales da Uva Goethe. Desenvolvimento em Questão, v. 13, n. 30, p. 155-174, 2015.

Downloads

Publicado

2023-09-15

Como Citar

Maia, K., Lanzarini, R., & Brussio, J. C. (2023). Uma análise da aplicabilidade da proteção legal do patrimônio gastronômico para um turismo cultural fortalecedor de identidade . Revista Hospitalidade, 20, 114–135. Recuperado de https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/1067

Edição

Seção

Artigos